01/11/2014

"O que a Bíblia diz sobre a oração pelos mortos?" "O que a Bíblia diz sobre orar aos mortos ou falar com eles?"

"O que a Bíblia diz sobre a oração pelos mortos?" "O que a Bíblia diz sobre orar aos mortos ou falar com eles?" Resposta: Orar pelos mortos não é um conceito bíblico. Nossas orações não têm nenhuma influência sobre alguém que já morreu. A realidade é que, no momento da morte, o destino eterno já está confirmado. Ou essa pessoa é salva pela fé em Cristo e está no céu experimentando descanso e alegria na presença de Deus, ou está em tormento no inferno. A história do homem rico e Lázaro, o mendigo, nos fornece uma vívida ilustração desta verdade. Jesus claramente usou essa história para ensinar que após a morte os injustos são eternamente separados de Deus, que se lembram da sua rejeição do evangelho, que estão em tormento e que sua condição não pode ser remediada (Lucas 16:19-31). Muitas vezes, as pessoas que perderam um ente querido são incentivadas a orar por aqueles que já faleceram e por suas famílias. É claro que devemos orar por aqueles que estão sofrendo, mas pelos mortos, não. Ninguém deve acreditar que é possível orar por alguém que já morreu e efetuar algum tipo de resultado favorável. A Bíblia ensina que o estado eterno da humanidade é determinado por nossas ações durante a nossa vida na terra. "A alma que pecar, essa morrerá; o filho não levará a iniqüidade do pai, nem o pai, a iniqüidade do filho; a justiça do justo ficará sobre ele, e a perversidade do perverso cairá sobre este" (Ezequiel 18:20). O escritor aos Hebreus nos diz: "E, assim como aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo, depois disto, o juízo" (Hebreus 9:27). Aqui entendemos que nenhuma mudança na condição espiritual pode ser feita após a morte - ou por si próprio ou por meio dos esforços dos outros. Se é inútil orar pelos vivos que estão a cometer "um pecado que leva à morte" (1 João 5:16), ou seja, o pecado contínuo sem buscar o perdão de Deus, como poderia a oração por aqueles que já estão mortos servir-lhes de algum benefício, já que não há nenhum plano de salvação após a morte? A questão é que cada um de nós tem apenas uma vida, e somos responsáveis pela forma como escolhemos vivê-la. Outros podem influenciar nossas escolhas, mas no final temos que dar conta das escolhas que fazemos. Quando a vida tiver chegado ao fim, não há mais escolhas a serem feitas; não temos escolha a não ser enfrentar o julgamento. As orações de outras pessoas podem expressar seus desejos, mas não vão mudar o resultado. O tempo para orar por uma pessoa é quando ele ou ela vive e ainda há a possibilidade de seu coração, atitudes e comportamento serem alterados (Romanos 2:3-9). É natural ter o desejo de orar em momentos de dor, sofrimento e perda de entes queridos e amigos, mas conhecemos os limites da oração válida, conforme revelados na Bíblia. A Bíblia é o único manual oficial de oração, e ensina que as orações pelos mortos são inúteis. No entanto, encontramos a prática de orar pelos mortos sendo observada em determinadas áreas da "Cristandade". A teologia católica romana, por exemplo, permite orações tanto aos mortos quanto em seu favor. Mas até mesmo as autoridades católicas admitem que não há autorização explícita para a oração em favor dos mortos nos sessenta e seis livros das Escrituras canônicas. Em vez disso, eles apelam para o Apócrifa (2 Macabeus 12:46), à tradição da igreja, ao decreto do Concílio de Trento, etc., para defender a prática. A Bíblia ensina que aqueles que têm se rendido à vontade do Salvador (Hebreus 5:8-9) entram diretamente e imediatamente na presença do Senhor após a morte (Lucas 23:43, Filipenses 1:23, 2 Coríntios 5:6, 8). Que necessidade, então, têm eles pelas orações do povo na terra? Embora nos simpatizemos com aqueles que perderam entes queridos, devemos ter em mente que "eis, agora, o tempo sobremodo oportuno, eis, agora, o dia da salvação" (2 Coríntios 6:2). Embora o contexto se refira à era do evangelho como um todo, o versículo é adequado para qualquer indivíduo que não esteja preparado para enfrentar o inevitável - a morte e o julgamento que se segue (Romanos 5:12, 1 Coríntios 15:26, Hebreus 9:27) . A morte é final e depois disso, nenhuma quantidade de oração vai beneficiar uma pessoa que rejeitou a salvação durante a vida. "O que a Bíblia diz sobre orar aos mortos ou falar com eles?" Resposta: Orar aos mortos é estritamente proibido na Bíblia. Deuteronômio 18:11 nos diz que quem "consulta os mortos" é "abominação ao SENHOR." A história de Saul consultando um médium para trazer o espírito do morto Samuel resultou em sua morte "por causa da sua transgressão cometida contra o SENHOR, por causa da palavra do SENHOR, que ele não guardara; e também porque interrogara e consultara uma necromante" (1 Samuel 28:1-25; 1 Crônicas 10:13-14). Claramente, Deus declarou que essas coisas não devem ser feitas. Considere as características de Deus. Deus é onipresente - em todos os lugares ao mesmo tempo - e é capaz de ouvir todas as orações do mundo (Salmo 139:7-12). Um ser humano, por outro lado, não possui este atributo. Além disso, Deus é o único que tem o poder de responder à oração. Deus é onipotente - todo-poderoso (Apocalipse 19:6). Certamente este é um atributo que um ser humano, vivo ou morto, não possui. Finalmente, Deus é onisciente, Ele sabe de tudo (Salmo 147:4-5). Mesmo antes de orarmos, Deus conhece as nossas necessidades genuínas melhor do que nós. Ele não só as conhece, mas responde às nossas orações de acordo com a Sua perfeita vontade. Assim, para que uma pessoa morta receba orações, o indivíduo morto tem que ouvir a oração, possuir o poder de responder a ela, e fazê-lo de uma maneira que seja o melhor para o indivíduo que está orando. Só Deus ouve e responde à oração por causa de Sua essência perfeita e por causa do que alguns teólogos chamam de sua "imanência". Imanência é a qualidade de Deus que o leva a se envolver diretamente com os assuntos da humanidade (1 Timóteo 6:14-15); isso inclui responder à oração. Mesmo depois que a pessoa morre, Deus ainda está envolvido com essa pessoa e seu destino. Hebreus 9:27 diz assim: "... E, assim como aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo, depois disto, o juízo." Se uma pessoa morre em Cristo, ela vai para o céu para estar presente com o Senhor (2 Coríntios 5:1-9, especialmente o versículo 8); se uma pessoa morre no seu pecado, ela vai para o inferno e eventualmente todos no inferno serão lançados no lago de fogo (Apocalipse 20:14-15). Uma pessoa que está a agonizar não vai ser capaz de ouvir ou responder a uma oração, assim como uma pessoa que esteja vivendo em felicidade celestial com Deus também não será capaz. Se orarmos a alguém que está em agonia eterna, devemos esperar que ele seja capaz de ouvir e responder às nossas orações? Da mesma forma, estaria uma pessoa no céu preocupada com os problemas temporais na terra? Deus providenciou o Seu Filho, Jesus Cristo, para ser o mediador entre Deus e o homem (1 Timóteo 2:5). Com Jesus Cristo como o nosso mediador, podemos ir a Deus através de Jesus. Por que iríamos querer nos aproximar de Deus através de um indivíduo morto e pecaminoso, especialmente quando fazê-lo arrisca a ira de Deus?

Sem comentários:

Enviar um comentário